terça-feira, 16 de junho de 2009

Panglao Island

Depois um quick post, propus-me a mim mesmo proporcionar-vos uma descrição aliciante da ilha de Panglao, nas Filipinas. Tudo começou quando 6 jovens aventureiros decidiram tirar umas pequenas férias num resort nas Filipinas. Estes jovens aventureiros, àrduos trabalhadores que não hesitam em suar para fazer valer o seu ordenado, depararam-se com um problema logo à partida do seu sonho: o custo de ficar num resort. Sim, sai um pouco caro mas felizmente que nós fomos na época baixa e acabamos por pagar cerca 3700PHP por 3 noites, cerca de 55€. Mas comecemos do inicio. Para chegarmos lá, tivemos de sair do aeroporto de Macau pelas 21h chegando a Manila pela meia-noite, meia noite e meia. Ora o próximo vôo para Cebu era só pelas 04h pelo que tivemos que fazer uma pequena longa espera, no àtrio dos restaurantes (resumia-se a uma pequena àrea com muitas cadeiras e 3 lojas de comida...).
Após embarcarmos para Cebu, já de directa em cima, somos galardoados com uma vista magnifica e um amanhecer deveras único. Acho que a imagem fala por si...

O amanhecer visto do nosso avião

Após chegarmos a Cebu fomos apanhar um táxi do aeroporto para o cais 4, de onde saem os barcos para panglao. Mas até aqui foi fácil apanhar um táxi. Custou-nos 600PHP uma carrinha do aeroporto até ao cais, o que saiu barato a divir pelos 6. Diga-se que pelo caminho deu para testemunhar alguma da pobreza que se vive pelas Filipinas e compreender um pouco melhor aqueles que de lá vêem para Macau, para fugir a uma realidade bem dura. Quando chegamos ao cais, toca a ir comprar o bilhete. Sem querer exagerar mas devemos ter esperado uma boa meia hora para comprar o bilhete e pagar a taxa do bilhete. Sim, taxa! Isto porque nas Filipinas tudo tem taxa e como tal tivemos que ir a outra bilheteira pagar a taxa do bilhete... Amigos, vá lá, pensem lá em incluir tudo no bilhete, é mais fácil :D
Para embarcamos, tivemos que passar as malas pelo raio x, detector de metais, tal e qual como no aeroporto... Depois fomos pó barquito e lá nos pusemos à espera da partida.


Cinco dos seis aventureiros a instalar-se no barco

O barquito demorou cerca de duas horas e meia a ir de Cebu para Panglao, onde deu para conhecer alguns dos passageiros e tirar algumas fotos ;)

O Pedro e eu com 2 filipinas que também iam para Panglao mas em trabalho

Depois de chegarmos esperamos pelo transporte do resort, que estava combinado nos vir buscar. Lá fomos nós na carrinha, pequena, congestionada para tantos passageiros e passamos num multibanco. Para nosso espanto o multibanco estava protegido por guardas, ou melhor, o banco encontrava-se protegido por guardas com M-14 e carabinas... Nada, nada amigável diga-se! E foi nessa altura que resolvemos fazer das nossas e tirar mais uma foto da praxe! :D

Ah pois é, Linpópó em grande pose! ;P

Depois de chegarmos ao resort só posso dizer que foi muito muito bom! Fizemos um pouco de tudo, praia, piscina, andar de mota de água, snorkeling e comer mesmo à fartazana. Pratos bem cheios de peixe e marisco, com vegetais e uma boa cervejinha ou rum cola a acompanhar. Também aproveitamos um pouco da vida nocturna e espreitamos uns barezinhos, nada demais mas sempre deu para relaxar de um modo bem diferente ao que estamos habituados! =)

O restaurante onde fizemos muitas refeições (incluindo os deliciosos crepes de manga, ananás e misto) e a piscina do nosso resort.

O Rui, eu e o Pedro, no final de um belíssimo jantar de camarões, lulinhas, peixinho umas poucas quantas San Miguel e claro está os vegetais e o milhozinho grelhado como acompanhamento ;)
Na outra foto podem nos ver no barco que nos levou a fazer snorkeling! Simplesmente lindo!


Uma pequena amostra do que foi nosso recheado jantar e a bela da paisagem junto ao restaurante das panquecas de fruta! *_*


O aspecto do nosso lanchinho após o um estafante dia de praia! Aquela sandocha bem pequenina é a minha :D
O aspecto da nossa vista durante o lanche ;)

Mais umas imagens da nossa belissima ilha! :)

E prontos! Mais um post que chega ao fim e espero que estejam a gostar disto, tanto como eu, que me tem custado tanto ter de ir a estes sítios para vos trazer estas belas imagens! ;P

Até uma próxima!


segunda-feira, 15 de junho de 2009

Bangkok Stars

Ni hao! Hoje faço um post curto mas deveras interessante. Não sei como é que isto aconteceu mas o facto é que após a nossa viagem a Bangkok somos "estrelas de cartaz" e passo a explicar. Apesar de não ter aqui um post a contar a nossa viagem a Bangkok (fica para daqui mais uns dias juntamente com Panglao, Hong Kong e mais qualquer coisa que possa aparecer na minha lista Things-Should've-Done-A-Whole-While-Long ;p
Em Bangkok nós alugamos um táxi para um dia inteiro (7 pessoas = 35€ o dia completo) e passeamos desde manhãzinha até ao anoitecer pelo mercado flutuante, arredores da cidade que não faço ideia o nome mas que era bem longe, era (cerca 140Km de Bangkok) e por um templo bem grande e majestoso. Isto pode parecer pouco mas só em viagem de ida para o mercado flutuante foram quase 2h de carro de manhãzinha bem cedo...
Acontece que o nosso motorista, um rapaz porreiro de nome A'Tee, estava acompanhado pela sua namorada, que não me lembro o nome mas só me recordo de um pormenor fisico deveras peculiar: o seu belissimo e, aposto que, farfalhudo bigodinho que tão sensualmente me atraia naquela rapariga... Hmmmmmm..... -_-'
Ao longo do nosso dia foram-nos tiradas algumas fotos pelo casal, fotos essas que nos foram enviadas para o e-mail, mas nada fazia prever que usassem uma dessas fotos para fazer publicidade ao seu serviço de táxi (que tão barato nos saiu, 5€ p/ pessoa um dia inteiro??? )! Deveras brutal!! xD
E aqui termino este quick post com a dita cuja foto para o vosso regalo.

Até uma próxima!



domingo, 10 de maio de 2009

I'm back :)

Olá meus caros leitores, estou de volta!
Já se passou um bocadinho desde a última vez que escrevi (um bocadinho é favor, eu sei :$) mas estive muito ocupado em viagens por esta Ásia fora, a conhecer novos sítios, civilizações e muitas outras coisas mais.

Hoje o meu trilho leva-me... ;P

Guilin, Yangshuo e Guangzhou

É verdade, três sitios percorridos em apenas 3 dias. Saiu-se de Macau na quinta-feira pelas 16h, passando a fronteira para a nossa vizinha China, nomeadamente Zhuhai e fomos apanhar um autocarro com partida marcada para as 18h30. Mas não é um autocarro qualquer, este autocarro vem dotado de camas em vez de cadeiras vulgares. Bem, as camas também não são propriamente um assento digno de um rei, mas malta, quem vem para a aventura, para a verdadeira China, tem que experimentar um pouco de tudo. E assim leva-me a colocar a primeira foto deste post.

Interior do bus que nos levou a Guilin

Pois é, a foto não é das melhores mas foi tirada um pouco à pressa, com a emoção de estar dentro de um autocarro chinês, no qual apenas uma pessoa podia passar de cada vez pelo corredor ou arriscava-se a aprender a arte de sanduíche humana, segundo as mais velhas tradições chinesas. Um simples bilhete de ida para Guilin nestas condições custou a módica quantia de 250 yuan, algo como 25€. Acho perfeitamente aceitável dado que dormi, sim deu mesmo para dormir até com a barulheira do ar condicionado e do motor, foi confortável e tinha espaço para, quase, me esticar por completo e eu só tenho 1,8 m portanto não sou propriamente pequeno, mas também não sou muito graúdo ;P
Bem, saimos de Zhuhai com destino a Guangzhou para irmos recolher mais aventureiros para a nossa "peregrinação". Guangzhou fica a cerca de 109 Km de Zhuhai, se esperam uma viagem rápida, esqueçam. Durou algo como 2h30 talvez... Isto porque Zhuhai, para meu desconhecimento, afinal não é tão pequeno como isso. Aliás, até é bastante grande, agradável ao olho, limpa e organizada. Algo que contradiz com a imagem que se fica quando saimos das portas do cerco em direcção à cidade. Após termos chegado a Guangzhou, fazemos a primeira paragem ou pit-stop, altura de ir fazer o xixizinho, esticar a pernoca e comer ou beber algo para quem quisesse. Note-se que apesar de darem àgua no autocarro, de graça, não arriscamos... Nunca se sabe de onde veio... Mas esperem, o melhor ainda está para vir. Quando pensamos que já vimos de tudo aparece algo sempre inovador. WC na China, mau ou muito mau? Resposta: Mesmo muuuuuuuuito mau!! A 6 metros de distância já se sentia o fedor, sim leram bem, fedor a xixi e era uma autêntica inundice ao redor da paragem. A casa de banho é totalmente ao estilo chinês e será daqui para a frente, neste post. Imaginem um buraco com forma de sanita no chão. Ai está, esse é o modelo de sanita chinês. Agora perguntam: "Mas linpópó, como é que eles fazem o serviço?". Meus caros, eles sentam-se de uma maneira que não quero exemplificar nem tirei fotos para vos demonstrar, a meu pesar, mas acreditem que não me parece a posição para arriar o calhau mais confortável mas talvez os chineses tenham desenvolvido uma técnica milenar ou ancestral para realizar, na mais sossegada da paz, o seu servicinho de alivio. Enfim, moving on ;P
Quando sai do autocarro com um dos nossos amigos, o Martinho, em busca de algo para comer foi ai que reparei na imundice que os chineses fazem. Na zona de "refeição", se assim podemos chamar aquilo, era restos de comida num espaço de 100 metros... Restos de frango, peixe, legumes, água suja, restos de arroz... Nada agradável! Mais uma vez não há foto, não estava a contar com este cenário rico em beleza visual e olfáctica ;P
E a nossa viagem prosseguiu noite fora, com uma condução fantástica por parte dos nossos 2 condutores, conduziam por turnos, em que tínhamos curvas apertadas a serem feitas como se um piloto de F1 se tratasse, lindooo :D
Pelas 06h30 já se notava o amanhecer e não resisti tirar uma foto, muito bom o cenário. Foi um warm welcoming do que estava para vir :)

O amanhecer no autocarro

Chegamos a Guilin pelas 08h30 e pusemo-nos logo a mexer, a procurar um sitio que fizesse uns tours para nos irmos entreter. Logo se aproximaram muitos chineses com propostas de viagens pelo rio Li até que o discurso de um chinoca, de nome Mike, nos começou a parecer bastante convicente e decidimos deslocar-nos á sua "loja" para discutir-mos preços. Conseguimos um preço razoávelmente aceitável para ir fazer uma pequena parte do rio Li, cerca de uma hora, de barco já com transporte incluido. Se bem me lembro foi algo como 120 yuan. Mas enquanto esperámos pelo nosso "bus" como lhe chamaram vimos umas cenas bem caricatas. Primeiro, assistimos a uns turistas inglesas que reclamavam que o Mike lhes tinha dado notas falsas e era um charlatão (Notas falsas na China parece ser o pão nosso de cada dia, verificam todinhas!!). Obviamente ficamos um pouco apreensivos e de pé atrás mas que fazer? Já estava combinado e decidimos arriscar. Depois, eramos ponto de paragem obrigatório de todos os chineses que passavam por nós, tiravam fotos, cumprimentavam, babavam-se porque nunca tinham visto tamanha quantidade de gwei lo à frente deles, enfim chinocas ;P
Houve também o mitra chinês e mais personagens caricatas que nos apareceram à frente enquanto esperávamos pelo transporte.

O mitra chinês, que nos fez esboçar uma enorme gargalhada

Mais um exemplo da realidade da sociedade chinesa

Após o nosso bus chegar, lá nos pusemos a caminho do rio Li. Conduzidos por um velhote que tirou a carta de condução nos chocapic nós não fizemos puff umas quantas vezes porque não calhou. Aqui a mudança só anda para cima e a mão ou está no volante ou na buzina. É indiscritivel!! Chegamos vivos, após uma outra paragem, provavelmente para dar indicações aos seus capangas que os branquinhos com orgãos de jeito estavam a chegar e para prepararem o gelo o mais rápido possível, e foi logo um cenário incrivel. Muita muita gente tudo com o mesmo destino e tudo a nos cumprimentar como se fossemos ponto de paragem obrigatório. Os barcos que nós fomos foi algo deste género.

Exemplo do nosso barco

Lá nos aventuramos e fomos descendo pelo rio, sempre a desfrutar da paisagem, linda e impressionante, que sim, relembra o Dragon Ball ou aqueles filmes de Kung Fu chineses... Até a nota de 20 yuan tem a paisagem e o rio como background.

Descendo o rio Li

A meio da nossa viagem paramos para almoçar. Num sitiozinho acolhedor onde nem sequer tinham espaço para nós, éramos 6. Então, e aqui uma prova de bom valor da hospitalidade chinesa, cederam a sua casa nós almoçarmos sem problemas. Sim, leram bem. Almoçamos dentro da casa das pessoas e diga-se, que foi muito bom :) O almoço em si nem por isso, um arroz cozido na maquina de arroz muito sem sabor, uns legumes assim assim e um peixe mal cozido pelo que tivemos de esperar por um bem passado. De resto foi um descanso bastante agradável.

O restaurante é em cima e aqueles encontravam-se a lavar o peixito para servirem :P

O aspecto do nosso recanto de almoço

Após o almoço era suposto continuarmos a descida de barco, mas o nosso amigo barqueiro pisgou-se.... Então o nosso amigo do peito, Mike, ligou-nos e tratou logo de nos arranjar transporte para uma terriola ali perto que teria autocarros para Yangshou. Desnecessário será dizer que foi mais do mesmo, condução digna de um rally Dakar, sem dúvida. Após chegarmos a Yangshou, deparamo-nos com um festival de gente. Muita gente. Muitos estrangeiros. Portugueses, claro só alguns ;) mas muitos espanhóis, franceses, ingleses, alemães parecia que estávamos na europa.

Rua do nosso hostel visto para a esquerda

Rua do nosso hostel visto para a direita

Fomos pôr as coisas no hostel, não gostamos muito do chefe do hostel, porque tinha um ar muitoooo manhoso mas lá nos entendemos com ele. Ah, lembram-se da sanita à chinoca? Pois, o nosso quarto era assim e a sanita e o chuveiro estavam no mesmo sitio...
Nessa noite fomos ver um espectaculo de musica que se passava num lago, tudo dentro de agua. Pagamos 200 yuan por 45 minutos mais coisa menos coisa, mas foi algo bastante agradável de ver. Muito bem feito e coordenado. Para tirar fotos foi mais complicado mas fica aqui uma amostra visivel.

Espectaculo musical nocturno em Yangshuo

Depois fomos conhecer um bocado da noite, comer qualquer coisa (no meu caso uma lasanha vegetariana espectacular por 25 yuan...) fomos ter com o nosso amigo Pedro, conviver um pouco no bar do terraço do hostel em que ele se encontrava com uma vista espectacular sobre a cidade, beber um copo numa disco ali pertinho e mimir. Nem sabiamos o que o dia seguinte nos esperava ;)
Na manhã seguinte resolvemos arriscar em mais um progama proposto pelo nosso chefe do hostel e la nos metemos à estrada nas bicicletas alugadas a percorrer cerca de 5 Km até ao bamboo rafting, uma descida noutra parte do rio Li mas noutro tipo de barquito.

Parte do nosso percurso para o bamboo rafting

Lá estou eu numa pose do estilo para a foto ;P

Após chegarmos ao sitio, o nosso chefe do hostel que nos acompanhou o tempo todo, falou com os seus conhecidos e preparou-nos a viagem, pela qual tivemos de esperar uma hora no minimo... Manhosices de chinoca... Mas nada de mau, pois valeu a pena a espera, a viagem foi bem divertida e relaxante, em parte ;P

O ponto de partida

Parte da nossa descida, enquanto estávamos secos

Secos, mas por pouco tempo, porque assim que houve a primeira queda de água molhei as sapatilhas e depois houve um bombardeamento dos nossos camaradas... Sim, lembraram-se a molhar-nos com umas bisnagas que as velhotas vendiam por 3 yuan... Obviamente que demos luta e roubamos uma bisnaga e molhamos o resto da malta!!! Muahahahaha xD
Pelo caminho encontramos uma vendedora, sim vendedora, no seu barquito que rapidamente acuidu ao nosso pedido de sede de pidjiyu e salvou-nos as gargantas de uma secura que teimava em não acalmar ;)
Vai uma jola, ó jovens? Tá fresquinha ;)

Lá prosseguimos viagem, a relaxar, apreciando a paisagem, a pidjiyu e obviamente uns quantos campei (brinde). Sim, porque não deixamos o nosso barqueiro a secar, oferecemos uma pidjiyu ao rapaz que esboçou um enorme sorriso e campei 'ca gente ;)
O resto da viagem foi muito mais relaxado, após nos pormos a secar, pois estavamos completamente encharcados. Mas o engraçado é que havia pequenos pontos, ao longo do rio, onde estavam bancas com computadores e malta que nos tirava ou tinha tirado fotos e nós só tinhamos de parar para as comprar. Computadores no meio do rio... Os chinocas tão com um business approach muito à frente, malta!!

Exemplo de uma banca no meio do rio

Depois de acabarmos o nosso passeio, andamos mais um pouquito de bicicleta e fomos parar a um restaurante calminho e com boa comida mas muito demorado. Comemos qualquer coisa e fomos direito às cavernas de lama para irmos direitos a um tratamento esfoleante. Não tenho fotos digitalizadas pois as que nos tiraram lá estão imprimidas e não passei para o computador, mas valeu a pena. O banho de lama foi muito fixe e depois fomos para umas pequenas grandes poças de água quente onde relaxamos o suficiente para finalizar a nossa visita às grutas. No final do dia fomos de bicicleta, à chuva, no escuro sem saber se a direcção era certa ou não para Yangshuo, uma autêntica aventura. Foi algo inesquecível, pois quando a chuva miudinha parou deu para ver o céu e estava espectacular. Foi um passeio inesquecível. :)

E prontos, mais uma viagem, mais uma experiência inesquecível. Não digo nada do nosso retorno pois também não foi nada de especial, vimos um monumento interessante, deu para irmos a descansar mas nada de relevo. Recomendo a quem quiser algum dia vir visitar a China que passe por Guilin/Yangshuo.

Até à próxima :)

quinta-feira, 19 de março de 2009

Hoje....

Hoje....

Hoje acordei ainda meio enevoado... Não tinha dormido totalmente bem e acordei ao som de miudos a brincar no jardim, demonstrando o seu contentamento em mais um dia de vida. Descansei um pouco mais e pelas 10h30 levantei-me. Como em qualquer outro dia, despachei-me e aprontei-me para ir com os meus amigos, almoçar. Fomos a casa do Sérgio (eu e a Anabela) e em vez de irmos ao vegetariano almoçar, porque se encontrava encerrado, decidimos ir procurar por um kebab na zona do largo do senado. Após dar-mos com o sitio deliciamo-nos com o belo petisco e conhecemos um iraniano, engenheiro civil, que trabalha numa empresa de construção civil, em túneis exclusivamente. Felizmente para a Anabela pois aproveitou a ocasião para se dar a conhecer e num dia destes quem sabe se não poderá vir a ser beneficiada? :)
Após o almoço dirigimo-nos ao centro, para provar uma iguaria. Uma espécie de leite creme mas este era feito só de leite e açucar, achamos nós. Também tinham uma versão amarelada que deverá ser a mais aproximada ao leite creme mas isso fica para outro dia. ;p
E o que melhor para digerir o docito e a refeição que uma boa caminhada do senado à zona da NAPE para ir a um museu? Ah pois, mas claro está que no caminho recarregamos forças com um belissimo mcflurry de oreo (para mim) e m&m para os meus dois amigos ;)
Vimos a exposição sobre pinturas e fotografias sobre a China e Macau. Bastante interessante!! Recomendo vivamente! Agora é que vem a parte do porquê do titulo da mensagem de hoje.
Após termos ido à exposição fomos para casa. Eu e a Anabela apanha-mos o autocarro 3A, já passava das 17h30. Iamos descontraidamente na conversa a falar sobre o que tinhamos visto quando de repente o motorista começa a mandar vir e faz uma travagem forçada. Só tive tempo de me agarrar a um corrimão, porque iamos de pé, enquanto ia sendo projectado para o chão do autocarro se não fosse uma rapariga a me segurar pelo braço. Mal tinha visto, pelo canto do olho, um homem muito próximo do autocarro no momento da travagem. Quando me segurei e volto a olhar para o meu lado direito vejo que já está no chão. Impávido, sereno, de olhos bem dilatados e abertos. O carro tinha o vidro da frente bem rachado. A senhora, que seguia no lugar do pendura, estava mais branca do que já era. Em enorme estado de choque segurava a sua bolsa e olhava para nós, no autocarro, com um ar de incompreensão e medo. O seu estado deveria ser bem mais confuso que o meu. Não me apercebi imediatamente do resultado do acidente até que alguém se acerca do abatido e o abana, enquanto eu digo numa esperança de que me ouvisse "Não faças isso!". Ele continuou como estava e ai apercebi-me da big picture. Tinha levado aquele impacto fatal e já não havia retorno. A Anabela também não se tinha apercebido de tudo. O condutor do autocarro continuou a levar-nos ao nosso destino e foi ai que tudo se definiu. Ela contou-me o que viu e eu contei-lhe o que vi. Não foi fácil assimilar algo assim tão naturalmente como os chineses, que apreciaram tudo o que se passou com um certo sorriso de extâse na sua cara. Algo caricato mas que demonstra o quão habituados eles estão a este tipo de situações.
Se há algo que aprendi com isto hoje é que vou redobrar ainda mais o meu cuidado ao atravessar a estrada. Claro, o condutor do carro não teve culpa mas acontece. E tem dias que nos pode acontecer a nós. E como tal mais vale prevenir que remediar. Não é nada que nos abata, que nos deixe em baixo. Apenas nos reforça a ideia de que não nos devemos sentir sempre confiantes, ou melhor, devemos ser confiantes mas cautelosos pois há sempre um preço a pagar por estas coisas. Este é apenas um pequeno desabafo, don't worry, everything is okay with me ;)

Tentei por muitas vezes colocar os videos da torre de macau e do teleférico da guia mas sem sucesso. Tentarei algures mais, durante a minha passagem até lá tenham paciência. Deixo apenas o site com as fotos que tiro, para quem não sabe:

http://cid-472933bb99ce9a25.skydrive.live.com/albums.aspx

Até à próxima ;)

segunda-feira, 16 de março de 2009

Linpópó e amigos

Olá a todos, mais uma vez nos encontramos para ler as aventuras daquele engenheiro chinoca que nos atrai tanto com a sua barbicha reflectora da sua enorme personalidade ;p
Na semana que passou tive a, mais que agradável, visita de dois grandes amigos de Portugal. Sim, leram bem. Dois grandes malucos lá se aventuraram e arriscaram a deslocar-se a este pequeno reduto de encontro de cultura para visitar um electrão que por estes lados deambula :)
O resultado: INESQUECIVEL!!! Foi uma semana e pêras! Eles adoraram Macau e eu adorei ter estado na sua companhia. Pude estar na companhia de pessoas que não via há mais de dois meses, matar saudades, pôr a conversa em dia e descobrir ainda mais coisas desta cidade, que nunca pára de me surpreender.
Tudo começou na quinta, dia 5. Eles chegaram a Macau, depois de muitas horas de vôo, pela manhã e foram bem recebidos em minha casa pela minha colega Anabela. Quando entro em casa, na minha hora de almoço, lá estavam eles, ainda meio desnorteados e um pouco baralhados mas prontos para a bela semana que os aguardava. Nessa tarde aproveitaram para pôr o sono em dia e de noite, eu e os meus amigos, levamo-os a jantar numa tasquita no Largo do Senado. Foi logo um bom inicio daquilo que os esperava. Deu logo para ver que não se faziam de esquisitos e estavam prontos a exprimentar a gastronomia local. Comeram até não poderem mais, isto num prato bem bem cheio, pela módica quantia de 4€. Após isso, dirigimo-nos ao Venitian, hotel e casino bem conhecido por estas bandas, nomeadamente ao Bellini. O Bellini é um "barzito" com música ao vivo e muita animação. Nessa noite tivemos a boa música de um senhor chamado DJ Fly, um francês, vencedor do campeonato do mundo de DMC DJ (http://www.dmcdjchamps.com/results.asp) que nos proporcionou um bom espectáculo e animação com música de RATM, Nirvana entre muitos outros :)
Aqui vai uma pequena amostra de como foi essa noite:

video
DJ Fly - Video 1


video
DJ Fly - Video 2

Bem, após nos divertirmo-nos nessa noite, fomos descansar para no dia seguinte estarmos em forma. Nesse dia, tirei folga (sim, o linpópó estagia mas tem direito a 9 dias de férias durante o estágio ;) ) e pensava levar os piquenos a conhecer Macau e puxar bem pelas perninhas mas saiu-me o tiro pela colatra. Nessa manhã chovia a potes e apenas mostrei as ruinas da igreja de S. Domingos. As ruinas da igreja de S. Domingos, nessa manhã chuvosa

A vista no cimo, junto às ruinas. O edificio grande é o Grand Lisboa, hotel e casino

As ruas de acesso à zona das ruinas

Aquela forte presença das motos, mesmo em dias de chuva

Como tal, foi uma manhã perdida. Mas o almoço foi bem melhor. Nada como leva-los a ir comer no Hotel Casa Real, um yamcha. Basicamente, é um tipo de restaurante onde se pede uma pequena diversidade de pratos e depois compartilha-se entre todos, acompanhado claro está de um cházinho. Posso dizer-vos que os deliciei e renderam-se (se já não estavam rendidos até então) à gastronomia chinesa. Nada melhor que mais umas fotozitas para ilustrar o nosso almocito.
O hotel e casino Casa Real

O aspecto do nosso almocito (Paulinho desculpa lá :$ )

Na nossa esquerda temos massa de arroz frita com legumes, ao centro, alface frita com alho, mais dois pretes de crepes de legumes e de camarão feitos com massa de arroz, à direita temos a sobremesa, taro buns, que são uma delicia e enrolado naquela folhita encontra-se um arroz de peixe espectacular
A foto da praxe: Paulo, Rui e Linpópó

Depois deste belo almocito levei os rapazes a passear um pouco pela cidade. Demos umas voltitas por algumas zonas com casas tipicamente portuguesas/coloniais e paramos no jardim de Lou Lim Ioc.
Entrada para o Jardim de Lou Lim Ioc

Por falta de melhores palavras apenas digo que este jardim é bastante belissimo. É um sitio exclente para se relaxar, passar uma boa tarde a meditar, praticar exercicio, enfim um must para quem gosta de estar junto com a natureza. Se há algo que vou admitir é que apesar de haver bastante sujidade em vários aspectos, como os passeios, o lixo e afins, no que toca a jardinagem esmeram-se. Os chineses aplicam-se de tal modo que é quase dificil de acreditar que sejam os mesmos que queimam lixo em plena rua.

Pequena parte do jardim de Lou Lim Ioc

Os engenheiros apanhados de surpesa ;p

Após tanto andar e passear voltamos para casa. Nessa noite comemos num restaurante perto de minha casa. Um takeout que nos deliciou aos três e no entanto bem barato (3€) porque é uma caixa repleta de comida que quando se acaba não dá para repetir ;p Mais uma vez o mestre Rui encontrava-se empolgado para tirar fotos e não resistiu. Fotografou a vista para a piscina mas em modo de noite. Dêem uma olhadela:

Vista nocturna para a piscina do complexo fechado onde mora o Linpópó

O nosso Sábado começou com uma visita ao templo de A-Ma. É realmente um sitio bonito para se visitar mas desde que não seja com muita gente, como foi o nosso caso. Se quere-se tirar uma foto quase que temos de pedir permissão pois os chineses não se preocupam muito se vão aparecer nas fotos dos outros ou não... Enfim, nada que não fosse superado e que não nos deixasse apreciar a beleza do local. Aliás, até nos proporcionou algumas peripécias bem divertidas que ficaram entre os três companheiros para mais tarde recordar ;)

Entrada para o Templo de A-Ma

Na subida para o cimo do templo. Reparem nos vários pontos em que colocam textos, panos, etc. Tudo parte da sua religião

Um altar para rezas

O altar em anexo ao anterior

A vista do topo do templo - Para a esquerda

Vista frontal

Após termos apreciado todo este belo complexo regressamos ao mesmo ponto que entramos e deparamo-nos com um gesto que se repetiu ao longo dos poucos minutos que observámos. Basicamente as pessoas entravam no templo, aproximavam-se de uma pedra, grande e com um desenho de um barco, abraçando-a colocando as mãos em pontos especificos. Vou exemplificar:

É incrivel a figura que os chinocas fazem, não é? ;p

Ora após esta manhã bem passada, voltamos a pé para o centro da cidade. Nada que não faça bem ao coração andar desde a zona da Barra até ao Largo do Senado. Isto tudo para nos irmos maravilhar e exprimentar pela primeira vez (eu inclusive) um almocito no mercado de S. Domingos. Foi algo verdadeiramente unico. Adorei a minha refeição, foi super barata mas o batido de algo que não faço ideia o que seja é que não deu para ajudar a encher o bucho! Não não!! Batido com sabor a massa é algo muito novo para mim!!
Vejam bem os videos para terem uma ideia do que era o piso em que estávamos. LINDO!! :D

video
Mercado de S. Domingos - Como fazer comida

video
Mercado de S. Domingos - Tugas a almoçar com o Linpópó

Prato de comida do Rui

Batido com sabor a massa (hmmm que saudades ;P )

Após este belo almoço dirigimo-nos ao Parque Municipal da Colina da Guia. Um pequeno ponto verde em Macau usado por muita gente para fazer exercicio fisico, passear, namorar enfim, dá para tudo e mais alguma coisa. No cimo deste parque encontra-se o Farol da Colina da Guia, outrora usado pelos navegadores e militares portugueses na defesa de Macau e até no aviso de tempestades.

Entrada para o Parque Municipal da Colina da Guia

Ora como bons tugas que nós somos qual percorrer o caminho para o cimo a pé se posso ir de teleférico e custa a exurbitante quantia de 0,3€!!! Ah valentes moces que eles são, aventurarem-se pelo teleférico dos chineses!! Após este belo passeio turistico, saimos e deparamonos com o já dislumbrado espaço verde existente em abundância :) Algo de muito bom de se ver e como estava um dia de chuva miudinha dava um aspecto mesmo lindo à paisagem.

Na saida do teleférico

Desde logo percorremos com os nossos olhos, o bilhete que nos tinha sido dado para encontrarmos o melhor caminho para o farol. Cedo descobrimos que estávamos no extremo oposto do parque e do farol... Então, como bons engenheiros que somos, decidimos fazer-nos à estrada e dar uso às nossas belas pernocas para chegarmos ao nosso destino. Ao longo do caminho fomo-nos deparando com várias pessoas a praticar desporto ou simplesmente a apreciar a paisagem. Mas há algo aqui que deve se congratular: é o facto de que ao longo do parque existerem facilidades para a prática do desporto, ou seja, existem aparelhos para a prática de ginástica, acompanhados com placas indicativas de como se deve ser executado. Até barras para se praticar flexões, são visiveis ao longo do percurso. Algo que realmente demonstra o interesse dos chineses na prática do desporto.

Vista da paisagem do parque

O engº linpópó a exemplificar aos colegas como se exercita

Exemplo de placa com informação sobre o exercicio a realizar no local

Após andarmos um bocadito mais eis que chegamos ao local do farol. Demos uma volta à fortaleza, procurando o local de entrada e fomos apreciando a paisagem em nosso redor. Quando encontramos a entrada para a fortaleza reparamos na enorme âncora que ali se situava. Facto que só vim a saber depois, que da zona da fortaleza para a frente era mar... Mas isto há muitos muitos anos atrás e que tudo aquilo que viamos era terreno conquistado ao mar. De facto, há pequenas coisas que nos parecem tão banais que nem damos por isso. Eis o aspecto da entrada:

Entrada para a fortaleza

Ao entrarmos demos de encontro com os sinais que referi atrás. Sinais esses usados para projectar um sinal luminoso de aviso do tipo de tempestade que se aproximava, existindo vários sinais para os diferentes tipos de tempestade. Depois, deparamo-nos com um pátio e por cima de nós o farol e a pequena igreja a seu lado. Junto ao farol econtra-se um canhão bem antigo, apontando para o mar, agora bem mais longínquo que em outros tempos. Tudo muito tipicamente português fazendo vir à memória, especialmente a minha, as fortalezas tipicas no algarve com os seus canhões de ferro, que mantendo-se impunes, demonstram a firmeza com que se defendia o territorio.

A igreja e o farol

O canhão que ainda permanece

E isto foi praticamente o nosso sábado. Andamos a passear um pouco mais pelo parque mas depois fomos jantar e descansar. O dia de domingo já foi passado em Zhuhai. Ponto obrigatório de passagem, já que a China mesmo China estava aqui ao nosso lado. Foi um dia diferente, até mesmo para mim pois passamos a manhã toda a passear pela cidade. A aventurarmo-nos por recantos desconhecidos e fomos acabar a almoçar numa tasca pela módica quantia de 2,7€ , no total. O almoço foi uma tigela de massa com legumes e galinha, mas bem recheada diga-se. E para ajudar a matar a sede (sim porque o linpópó e o amigo Rui colocaram demasiado picante na massa e tavam a ver a situação um pouco "quente") nada melhor que uma garrafita de cerveja de 640ml para animar a festa :D Mas não se deixem levar pelas minhas palavras, vejam as fotos para acalmar a vossa curiosidade.

A tasquinha onde nos serviram o almoço

A cerveja que nos afogou o "calor" nas nossas bocas

O aspecto do nosso almoço

O resto da semana ficou ao critério dos senhores visitantes, onde andaram perdidos por várias ocasiões quer fosse perdidos na cidade ou nas diversas padarias que encontraram pelo caminho! Sim, porque apesar de não haver pão de jeito, os doces eles sabem fazer e inventar das mais belas iguarias que se possa imaginar ^_^ ( Ai o cinto das calças que não aperta :$ )
E com tudo isto, termino com umas imagens da nossa visita à torre de Macau, nomeadamente ao jantar e quando saimos, junto ao Toys 'R US. Prometo tentar, o mais rápido possíbel, colocar online os videos da viagem no teleférico e da torre de macau. Pode não se ver tudo muito mas ao menos ficam com uma ideia do que foi para nós essa experiência. Até à próxima! :)

O nosso jantar na torre :)

Eu e o Paulinho, ao estilo chinês

A macacada final ;p